Aquecimento Global e Plano Diretor

Artigo 15, publicado no Correio da Serra, Santo Antonio do Pinhal, SP, edição de Fev/Mar 2007

© 2005-2017 Fabio Ortiz Jr

 

Façamos aqui uma pausa em nossa seqüência para tratarmos de dois assuntos que ganharam crucial importância nestas últimas semanas.

Um deles é o relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre a Mudança Climática) a respeito do conjunto de sinais eloqüentes que a Natureza nos tem enviado há décadas e que agora têm sido resumidos no que vem sendo chamado de Aquecimento Global.

O Painel, criado pela ONU e formado por um grupo de cerca de 2.500 cientistas de inúmeros países, entre eles o Brasil, acaba de publicar seu 4º Relatório (o 1º é de 1990, o 2º é de 95 e o 3º é de 2001).

O que este relatório produziu em termos de informações, ainda cautelosas e conservadoras, é, em resumo:

- está provado que o aquecimento é real e deve-se às atividades humanas;

- o processo tem se acelerado de forma surpreendente (?!);

- as conseqüências são graves e em larga medida imprevisíveis;

- não há lugar para nos escondermos.

Já em termos de desdobramentos a coisa é mais simples: a turma acordou... e está assustada.  O pesadelo é real.

A interrogação-exclamação acima é minha e explico-a com esta pergunta: surpresa para quem?

Os processos da natureza não são cartesianos!  Ou seja, não são simplesmente lentos, graduais e

lineares (mas deixarei esta discussão para outro artigo em que tratarei do embate "visão cartesiana" versus "visão quântica")!

O outro assunto é o Plano Diretor para Santo Antonio do Pinhal.  Posso dizer que estou muito feliz com a iniciativa, aleluia!

Desde que cheguei a Santo Antonio, há 7 anos, converso sobre isto: a absoluta necessidade de criarmos um novo Plano Diretor, adequado ao nosso tempo e à nossa visão de futuro, por meio da verdadeira e democrática participação em reuniões comunitárias, com a real articulação das forças vivas entre nossos cidadãos, com a clareza de que deve ser gestado com base em saudáveis princípios éticos e morais, com a percepção de que o que afeta o bem-estar de qualquer um de nós afetará o bem-estar de todos, com a sensibilidade de saber distinguir entre desenvolvimento e crescimento e de que fazemos todos parte de uma família, de uma comunidade, de uma região, de um país e de um mundo.

Se é necessário mudar o estado de coisas neste nosso cada vez mais devastado planeta, nossa casa, a casa de todos nós, comecemos por aquilo que nos cerca, comecemos pelo nosso dia-a-dia.

Parabéns e felicidades à população por esta iniciativa que envolve Prefeitura, Câmara de Vereadores, entidades como associações de bairros, de empreendedores, Ongs e cidadãos de todos os cantos de nossa comunidade.

Voltaremos a estes temas em outra oportunidade.  Na próxima edição, retomaremos nossa jornada e abordaremos a relação entre Ecologia e Educação.