Educação e Ambientalismo (2)

Artigo 19, publicado no Correio da Serra, Santo Antonio do Pinhal, SP, edição de Dez 2007

© 2005-2017 Fabio Ortiz Jr

 

Capítulo Cinco, ainda: avancemos no exame das relações entre Educação e Ambientalismo.

Concluímos o artigo anterior na afirmação do nosso modo de ver a Educação: uma jornada em direção ao conhecimento, seja no universo exterior, seja em nosso universo interior.

Para que ela seja saudável, libertadora, não podemos ser relegados ao mísero papel de meros consumidores de “conhecimento” produzido por alguém.  É necessário e imprescindível que nessa caminhada reconstruamos o conhecimento existente para que nos tornemos aptos a criar o nosso próprio conhecimento, real e inalienável.

Penso que só assim ela se constituirá num instrumento para a compreensão e a preservação da vida, realizando mudanças sempre que necessário.

Nesse sentido lembramos, como bem sintetizou o poeta Antonio Machado (espanhol, 1875-1939) em “Cantares”: “Caminhante, não há caminho, se faz caminho ao andar”.

Esta caminhada não é solitária, embora, como já dito no artigo de Ago/2006 (Espaço e Ambiente), ela seja exclusivamente nossa; ninguém a fará por nós.

Em minha andação juvenil tive a imensa sorte de contar com três, talvez cinco ou seis, professores que por sua atitude e ação mereceram esse título, mestre, hoje infelizmente tão desvalorizado.

Com eles, meus amigos e eu revimos as jornadas realizadas antes por tantos pioneiros; com eles as recriamos várias vezes, nos deslumbramos, aprendemos a criar e a fazer ciência e, por fim, a criticá-los.

Com eles nos tornamos novos desbravadores e novos mestres.

São inúmeros os pioneiros que desenvolveram e sistematizaram este aspecto da realidade, do conhecimento, em jornadas heróicas de homens e mulheres a exemplo de Makarenko, Piaget, Vygotsky, Montessori, Paulo Freire e tantos outros, sem esquecer dos essenciais Freud e Einstein.

Não é simples e não é fácil, mas é possível e é, sobretudo, necessário.  É sempre bom lembrar o que disse Issac Newton (inglês, 1642-1727), matemático, físico, gênio que nos arrancou de uma concepção medieval e mística do universo para nos apresentá-lo como algo compreensível: "Se fiz descobertas importantes, deve-se mais por ter paciência do que qualquer outro talento".

Todos estes heróis e heroínas, além de alguns milhões de outros abnegados famosos ou anônimos, têm ofertado generosamente suas vidas e suas contribuições para, sim, descolarmo-nos à barbárie.

Relembrando nossa trajetória nesta coluna, aqui tratamos de Tempo, Espaço, Ambiente, Ecologia e agora examinamos Educação para a seguir tratar de Ambientalismo.

Talvez a esta altura comece a ficar evidente ao leitor atento que, já que deixei claramente expostos:

- a minha preocupação pelo destino de todos nós enquanto indivíduos e comunidade e enquanto espécie,

- que temos colocado em risco o delicado equilíbrio que tornou possível nossa existência e a de tantas outras espécies,

- que isto comprovadamente se deve ao nosso discutível estilo de vida,

- que para que se torne possível mudá-lo para um modo saudável, logo, inteligente, é preciso compreender o que realmente se passa,

- que para que esta mudança aconteça é necessário que pessoas em número significativo estejam determinadas a fazê-lo e passem a agir,

então considere natural propor que o processo a que chamamos de Educação passe por uma profunda transformação, pois é ele que, em princípio, pode transformar e acordar nossa percepção ou, ao contrário, pode simplesmente adormecê-la, alienando-nos à realidade e mantendo-nos rumo ao desastre.

Não nos basta “aumentar a Educação”, é preciso colocá-la a serviço da vida.  Para isso, é necessário compreendê-las em profundidade e, pelo menos, em todos estes aspectos que venho incansavelmente tratando aqui.

Vale a pena lembrar também o filósofo Karl Raimund Popper (austríaco, 1902-1994): “As teorias científicas distinguem-se dos mitos unicamente por serem criticáveis e por estarem abertas a modificações à luz da crítica”.

No próximo artigo concluiremos esta reflexão.

Com mais um ano se encerrando, quero deixar a todos vocês meus calorosos votos de um Feliz Natal e um novo ano pleno de sonhos coroados por realizações.